Yo La Tengo Baixar Músicas

Yo La Tengo

Indie

114 views
Compartilhe Agora:

foto de Yo La Tengo

O Yo La Tengo é uma das bandas que menos possui o reconhecimento que merecia ter na história recente do rock alternativo. Sua trajetória, que ocupa boa parte da década de 80 e daí em diante, é recheada de excelentes discos, boa reputação perante à crítica e respeito em geral no meio musical, além da rara integridade e consistência em sua obra que remete a outros grandes nomes como o Sonic Youth e R.E.M.. Apesar do que isso tudo possa sugerir, o Yo La Tengo não goza de nenhuma grande massa de fãs e nem costuma figurar em listas de mais ouvidos/vendidos ou de prêmios. O Yo La Tengo passa sempre a idéia daquela banda mais tímida, avessa aos holofotes, que se dá por satisfeita em gravar seus discos e saber que estes sempre serão bem recebidos e comemorados por aqueles poucos que acompanham fielmente a sua carreira. Não conta com o apoio da mídia e muito menos o alvoroço de um grande público, mas a reputação que o grupo possui dentro da comunidade indie rock mundial é uma das mais sólidas e respeitáveis. O núcleo da banda é formado pelo casal Ira Kaplan e Georgia Hubley. Ira e Georgia se conheceram no meio musical (ela era baterista e ele crítico musical que escrevia para algumas renomadas publicações de New York, além de ser guitarrista nas horas vagas) de Hoboken, pequena cidade americana localizada em New Jersey. Casaram-se e, em 1984, formaram o Yo La Tengo. O nome escolhido é uma frase em espanhol que significa "eu a tenho" ou "eu a peguei", costumazmente proferida em jogos de baseball. Para completar o line-up da banda, Ira e Georgia fizeram anúncios em busca de músicos que compartilhassem com eles o gosto por Soft Boys, Mission of Burma e Love. Após a passagem de alguns baixistas e guitarristas pela banda, o Yo La Tengo firmou-se com o guitarrista Dave Schramm e o baixista Mike Lewis. Essa formação lançou em 1985 o single "The River of Water", que possuia um cover para a canção "A House is not a Motel" do Love. Em 1986 é lançado o primeiro LP, chamado "Ride the Tiger". O disco saiu pelos selos Coyote e Twin Tone e foi produzido por Clint Conley, baixista do Mission of Burma. "Ride the Tiger" tem primordialmente influências de Byrds e R.E.M., e foi muito bem recebido por aqueles que já conheciam o Yo La Tengo pelas suas muitas apresentações no Maxwell's, em Hoboken, onde a banda já havia conquistado um certo reconhecimento. Logo após o debut do Yo La Tengo ter sido lançado, Mike e Dave deixaram a banda. Ira assumiu a guitarra principal e Stephen Wichnewski ganhou o posto de baixista. Como um trio, o Yo La Tengo lançou seu segundo disco em 1987, "New Wave Hot Dogs". Para esse segundo trabalho, a banda gravou um cover de outra de suas principais influências: "It's Alright (The Way that You Live)", do Velvet Underground. A influência que a banda de Lou Reed exercia sobre o Yo La Tengo iria se tornar a partir daí cada vez mais perceptível. "New Wave Hot Dogs" foi produzido pelos próprios Ira e Georgia. Dois anos depois o Yo La Tengo lançou o terceiro disco, chamado "President Yo La Tengo". Este trabalho possui como baixista Gene Holder, uma vez que Stephen Wichnewski também deixara o Yo La Tengo. Gene também assina a produção do disco. "President Yo La Tengo" é visto por muitos como um dos melhores discos do Yo La Tengo, e também como um dos mais mais marcantes para a consolidação da banda. O disco possui como destaque principal as duas versões de "The Evil That Man Do", uma das melhores composições de Ira. Para "Fakebook", de 1990, a banda contou com os reforços de um segundo baixista, Al Greller, e da volta do guitarrista Dave Schramm. Dave, que havia deixado a banda após a gravação do debut "Ride the Tiger", fundou o Schramms ao lado de Al antes de voltar para o Yo La Tengo. Gene Holder foi novamente o responsável pela produção, e também tocou o baixo de algumas faixas. "Fakebook" é uma homenagem do Yo La Tengo a algumas das bandas que serviram de influência ao conjunto, e que fazem parte da coleção de discos de Ira Kaplan. O disco é uma inspiradíssima jornada acústica de versões folk-pop para canções de gente consagrada como The Kinks, Gene Clark, Cat Stevens, Flamin' Grooves e John Cale, além de outros ilustres desconhecidos como Rex Garvin and the Mighty Cravers, The Scorts e The Scene is Now. "Fakebook" possui ainda algumas versões originais, regravações e b-sides de canções antigas do próprio Yo La Tengo, além da participação do vocalista Peter Stampfel. Em 1991, destacarm-se a participação da banda na trilha sonora do filme "A Matter of Degrees" de W. T. Morgan, com a música "Something To Do", e o lançamento do EP "That is Yo La Tengo" (ambos produzidos por Gene Holder, que também é o autor dos baixos). Logo após o lançamento do EP, nova mudança no line-up: saíram novamente Al, Dave e Gene para a entrada do baixista James McNew (ex-Christmas), com Ira assumindo novamente as guitarras. Já em 1992 sai um novo disco, chamado "May I Sing With Me", novamente muito bem recebido pelo público e pela crítica. O novo line-up, que gravou o quinto disco da banda, pode ser considerado o definitivo do Yo La Tengo. Outra novidade importante é que pela primeira vez Georgia participa de maneira mais efetiva nos vocais do disco, e não mais somente nos backing-vocals, como acontecia antes. Definitivamente estabalecida em termos de formação e composição, nesse disco o Yo La Tengo faz um laboratório com todas as suas facetas mostradas ao público em seus 4 discos anteriores: "May I Sing With Me" mescla a melodia e a delicadeza dos discos mais recentes com as overdoses de guitarra e garagem dos primeiros discos, se aproximando assim cada vez mais do indie pop perfeito. A produção fica novamente a cargo de Gene Holder. 1993 começa com a banda participando de duas compilações: "Delicacy & Nourishment: Lyrics by Ernest Noyes Bookings, volume 3" e "This is Art 2x7". E logo depois, para coroar o grande momento que a banda vivia, veio o contrato com a Matador Records. O primeiro trabalho pelo novo selo é o disco "Painful", que saiu em outubro de 1993. Produzido por Roger Moutenot e Fred Brockman, "Painful" repete a fórmula de "May I Sing With Me", mas seguindo a rotina de estar sempre evoluindo e desenvolvendo sua música, o Yo La Tengo adiciona elementos que enriquecem e instituem novas texturas em seu som. "Painful" soa mais envolvente e com mais destaque as linhas e riffs de guitarra, aproximando assim o grupo dos famosos shoegazers, como eram chamados na época conjuntos como o My Bloody Valentine. O "indie-dream-pop" que a banda apresenta em seu novo disco tem seu ponto alto em faixas como "Big Day Coming" (novamente em duas versões, uma primeira guiada por teclados atmosféricos e uma segunda infestada de guitarras) e nas melódicas e de riffs perfeitos "Double Dare" e "I Was The Fool Beside You For Too Long". Outros grandes momentos estão em "I Heard You Looking" (que nos remete a Jesus and Mary Chain) e nas belas "Nowhere Near" e "A Worrying Thing". Em 1995, Ira Kaplan participou de apresentações do recém criado Foo Fighters e logo depois completou os trabalhos de gravação de um novo disco do Yo La Tengo. Precedendo este lançamento, saiu o single "Tom Courtenay" em abril. Em maio, veio então o sétimo trabalho de estúdio: "Electr-O-Pura", produzido novamente por Roger Moutenot. O novo álbum traz músicas mais bem-acabadas e experimentais, com ecos de Sonic Youth em canções como "Blue Line Swinger" e "Flying Lesson", mas sempre com a marca característica do Yo La Tengo no que diz respeito às composições e melodias que servem de base para o desfile de guitarras e "viagens" ao longo do disco. Essa "marca Yo La Tengo" sobressai-se em canções excelentes como "My Heart's Reflection", "Pablo and Andrea" e "Decora". Melodias hipnóticas, riffs sublimes, microfonias e atmosferas conduzidas por mais um trabalho de guitarras magistral fazem "Electr-O-Pura" figurar ao lado de "Painful" como os melhores trabalhos do grupo e juntos levam o Yo La Tengo a figurar ao lado de nomes como R.E.M., Teenage Fanclub e Sonic Youth no panteão das maiores bandas da história do rock alternativo. "Electr-O-Pura" também levou a banda a ganhar certa notoriedade na Europa, fato que culmina em uma grande apresentação em Londres. Em setembro, a banda lança um EP chamado "Camp Yo La Tengo", contendo 4 faixas: duas novas versões para canções do disco "Electr-O-Pura" e duas inéditas. E, ainda em 1995, mais uma participação em trilha sonora, dessa vez para o filme "Amateur", de Hal Hartley, ao lado de nomes como Pavement, The Jesus Lizard, PJ Harvey, Liz Phair e My Bloody Valentine. 1996 foi um ano movimentado: participaram do filme "I Shot Andy Warhol" fazendo o papel de Velvet Underground (também participam da trilha sonora com a música "Demons", ao lado de nomes como Neil Young, Tom Jobim, Jewel, R.E.M., Luna, Love, John Sebastian, Pavement, Blue Cheer, Bob Dylan e MC5) e lançaram a coletânea dupla "Genius + Love = Yo La Tengo". Esta coletênea consiste de b-sides, músicas lançadas em singles e trilhas sonoras e faixas raras, sendo que o segundo disco é inteiramente instrumental. E também em 1996 a Matador Records relança os discos "President Yo La Tengo" e "New Wave Hot Dogs" (esses dois lançados em uma edição única) e o disco de estréia "Ride the Tiger". Para fechar o ano, foi lançado o EP "Autumn Sweater", que, além da música título, possui 3 diferentes remixes, sendo um deles feito pelo pessoal do Tortoise junto com o guitarrista David Pajo (Slint, Papa M, Zwan). Em 1997, um novo disco de estúdio: "I Can Hear the Heart Beating as One". O Yo La Tengo não deixa a peteca cair e constrói mais um disco espetacular, que possui mais algumas doses de experimentalismo e psicodelia, caracterizando assim um disco um pouco menos acessível, mas novamente muito bem recebido e elogiado. A produção é mais uma vez tarefa de Roger Moutenot. Em outubro de 1998, a banda lançou um split disc chamado "Strange But True" ao lado de Jad Fair. Em 2000, novo LP: "And Then Nothing Turned Itself Inside-Out". Nesse disco, o Yo La Tengo muda de maneira um pouco mais sensível o direcionamento de sua sonoridade, e o resultado é um punhado de canções mais tranquilas e intimistas, equilibrando bem climas românticos e outros um pouco mais sombrios. As guitarras estão mais contidas, mas as melodias e composições continuam esbanjando talento e criatividade. Destacam-se canções como "Everyday", "Night Falls on Hoboken", "Tears Are in Your Eyes" e "Our Way to Fall". Uma nova turnê européia acontece, e novamente o ponto alto desta é uma apresentação com ingressos completamente esgotados em Londres, no Royal Festival Hall. Ainda em 2000, no mês de novembro, aconteceu o lançamento do EP "Danelectro". Este disco consiste de 3 músicas inéditas do Yo La Tengo chamadas simplesmente de "Danelectro 1", "Danelectro 2" e "Danelectro 3", além de 3 remixes para cada uma dessas, feitas por artistas diferentes. Em novembro de 2002 saiu um single chamado "Nuclear War", com 4 versões da clássica canção de mesmo nome da banda Sun Ra. Em dezembro, a banda lançou um mini-disc chamado "Merry Christmas from Yo La Tengo", que traz o Yo La Tengo tocando canções tradicionais de natal. O fim do ano de 2002 também marca o lançamento do novo site da banda (www.yolatengo.com). No primeiro semestre de 2003, o trio volta com um novo disco. "Summer Sun" é quase uma continuação de "And Then Nothing Turned Itself Inside-Out" e recebe boas críticas e boa recepção dos fãs. O álbum fecha com um belíssimo cover para "Take Care" de Alex Chilton (Big Star), cantada de maneira sublime por Georgia. Fonte: whiplash.net Por Fabrício Boppré e Natalia Vale Asari Read more on Last.fm. User-contributed text is available under the Creative Commons By-SA License; additional terms may apply.

Últimas Notícias Sobre Yo La Tengo

El cantor al que aplaudían hasta cuando se equivocaba

Página 12 (Registro)

Y tenía una visión particular sobre la idea de “éxito”: “¡Qué sé yo! Yo las hago, las grabo, después las venden. Yo no me propongo que la gente las cante, ni me dedico a eso. Tengo más de mil canciones”, explicaba. “Y tampoco me interesa pensar en el ...Murió Horacio Guarany, un fundamental de la música popularFolkloreCLUB ...nada más que lo nuestro!Murió Horacio Guarany, a los 91 añosInfobae.comLa última entrevista que Horacio Guarany le dio a La Voz: “Estar ...La Voz del InteriorDiarioPopular.com.ar -Los Andes (Argentina) -LA NACION (Argentina)todos os 273 artigos »


“Los militares nos fusilaban si cantábamos 'Venceremos'...”

ABC Color

“Los militares nos fusilaban si cantábamos 'Venceremos'...”Yo no sé hablar nada de inglés. Yo hablo castellano, y guaraní un poco (se ríe)… –¿Qué les dice finalmente a los de la “República Guaraní”? –Un saludo muy cordial al pueblo paraguayo, a mis colegas músicos y cantores. Tengo unas ganas inmensas de ...


"El cantor del pueblo" viene el domingo : : Diario El Litoral - Santa ...

ElLitoral.com

Ya es un clásico en el escenario Horacio Guarany del Festival del Pescador: Galleguillo con su estilo de “decidor” y canciones como “Belén en los carnavales” ...e mais »


Un viejo bar que cuenta la historia

El Tribuno.com.ar

Se iba el último cantor", recordó el "Porfi". La biblioteca. El lugar sigue exudando bohemia salteña. ... "Yo tengo el mejor ají", dice el gastronómico y tiene razón; es el más picante y es sólo para exigentes. "Locoto, ají verde, tomate y sal; esa es ...


"La Sole" y Jairo, los artistas récord de Jesús María

Cadena 3

Además habló sobre Horacio Guarany y dijo: "Hoy quiero rendirle un humilde homenaje, voy a cantar “Cuando se calla el cantor” porque yo creo que marca un hito en su carrera y además lo pinta muy bueno no solo como artista sino como ciudadano, habla de ...e mais »


Cara a Cara: Mirando la vida desde la poesía y el canto

Diario El Esquiu

Antes, debo decirte que en mi familia no había antecedentes de músicos ni cantores. Cuando tenía 8 o 10 años, más o menos, se mudó frente de ... Un día, Paquito me hizo pasar a la casa y me preguntó si me gustaba cantar… y yo le respondí que sí ...


“Es un camino lleno de sorpresas el de la música”

La Gaceta Tucumán (Sátira) (Comunicado de prensa) (Registro) (blog)

Ver a mi padre lustrar sus botas, a mi madre ordenar el traje de gaucho… los viajes, conocer grandes artistas como los Tucu Tucu, a Abel Pintos cuando yo recién comenzaba, Los Cantores del Alba… Vivo el folclore ... No tengo fanatismo por ningún artista.e mais »


“Horacio parecía un actor nato”

El Diario del Sur de Córdoba

Por eso, Leonardo me recomienda a mí para que yo la haga. Así nos encontramos con Guarany, a quien ya conocía desde muy pequeño, cuando caía a la casa familiar de mis viejos en Villa María junto a otros amigos como Luis Landriscina. Incluso, tengo una ...e mais »


Con la ternura del pueblo

La Gaceta Tucumán (Sátira) (Comunicado de prensa) (Registro) (blog)

No tengo una gran voz. Mi voz es de boliches, de fogones y mi figura no es la de Gardel…” Se pone serio: “La democracia sólo se va a lograr cuando los problemas sociales sean eliminados. Vea, la enseñanza que recibimos acá es muy pobre. Nos hacen ...


Leo Brouwer: la inconmensurable mirada de un artista (1ª parte)

Diario de Querétaro (Comunicado de prensa)

Para entonces me metía debajo del piano para sentir las vibraciones, no me interesaban la voces porque no eran de mi agrado a los cinco años, aunque eran maravillosas, eran las voces históricas de nuestros cantores de aquella época, digamos un Pedro ...